Como vendi um app para o restaurante Perlage

Como vendi um app para o restaurante Perlage

Dizem que as melhores oportunidades estão bem debaixo do nosso nariz. E talvez estejam mesmo. Logo que comecei a trabalhar como assistente comercial na região da Av.Berrini, em São Paulo, eu pensava em como poderia fazer mais dinheiro nas horas vagas. Com tantas empresas ao redor do meu trabalho, deveria haver alguma coisa que eu pudesse vender ou serviço que eu pudesse prestar.

Moro muito longe da Berrini e todos os dias levava duas horas pra chegar na empresa. Tempo para inventar alguma coisa que me fizesse ganhar dinheiro é o que eu mais tinha! Mas eu pensava, pensava e nenhuma ideia surgia.

Na empresa de tecnologia mobile em que trabalhava ouvíamos histórias sobre um projeto novo, uma espécie  de plataforma online em que qualquer pessoa  poderia criar um app (aplicativo) para celular sem saber nada de programação. Os meses passaram e a plataforma foi lançada com uma rápida palestra. Lembro do meu chefe na época, grande Sérgio Orciuollo (pai do ator Emílio Orciollo), me pedir :  ”- Dá uma olhada com atenção nesse negócio, filho. Faz pra mim o app do Palmeiras que eu vou levar pra eles…” O Sérgio é conselheiro do Palmeiras, ex-diretor de marketing do Mappin e de tecnologia no SBT. Foi ele quem me contratou para a empresa.

Sou muito grato por isso. Valeu Sérgião! “Tudo meus amigo!” Com o apoio do Sérgio, lá fui eu aprender como funcionava a plataforma batizada de Fábrica de Aplicativos.

Tela inicial da Fábrica de Aplicativos

Achei interessante o negócio. Dava pra criar um app para celular em poucos minutos, divulgar umas imagens bacanas, uns vídeos, fotos, e-mail e depois salvar tudo isso num telefone celular, como uma espécie de programinha exclusivo do seu negócio.Peguei gosto por fazer apps e naquela época devo ter feito uns 30! Mas a vida foi passando, ônibus lotado todo dia, horas pra ir, duas pra voltar – e em dia de chuva o tempo aumentava para 3 horas…

Aquilo me deixou com o radar ligado: eu precisava MESMO fazer alguma coisa pra mudar minha situação já que trabalhar na empresa era muito divertido, mas ir e voltar cansava demais. Eu queria mais dinheiro pra comprar um carro, montar uma empresa. Algo que me tirasse daquela rotina diária de migrar entre uma cidade e outra.

A virada

E foi numa segunda-feira qualquer ( e agora que a história fica boa ) que as coisas começaram a mudar. Passei em frente a um restaurante que tinham inaugurado há poucos dias e algo me chamou a atenção. Não sei se foram as tantas viagens de ônibus pensando num jeito de fazer mais dinheiro ou se o instinto de gordo me fez reparar naquele lugar: o restaurante se chama Perlage. É um ótimo restaurante. O chef e proprietário do Perlage montou um esquema de servir saladas deliciosas. Vou postar um vídeo qualquer sobre o restaurante qualquer dia desses.

Sei que depois de reparar no lugar comecei a imaginar um jeito de fazer e vender um aplicativo pro Perlage. Eu nunca havia vendido um app. Nem imaginava que dava pra vender aquilo mas como precisava ganhar dinheiro a ideia me pareceu muito boa.

Praticidade

Incentivado pela minha namorada, fui para o escritório pra pensar em como vender pro Perlage. Ainda bem que criaram um negócio bem prático, porque se depender das minhas habilidades de programação, morro de fome! Os caras são muito bons no que fazem! O fato é que usando o Photoshop, a Fábrica de Aplicativos e um pouco de cérebro, criei este app para o  restaurante Perlage: https://app.vc/perlageberrini

App do restaurante Perlage

Para criar o app tive que fazer minha lição de casa: procurei o site do Perlage no Google e li tudo que podia sobre o restaurante. Salvei no computador toda informação que achava interessante como telefones de contato, e-mail, imagens… tudo! Então, já de saco cheio de revirar o site, preparei um café, peguei papel e caneta e  planejei como seria o app. Nada muito complicado, eu só queria ter um roteiro para guiar meu trabalho.

Só depois disso é que comecei a produzir o aplicativo do Perlage. Fiz o app com imagens, textos explicando o restaurante e telefone de contato, deixei o negócio completinho! Entre planejar e terminar o app levei dois dias. Fiquei todo orgulhoso do aplicativo que tinha acabado de fazer quando me lembrei de um detalhe: todo esse trabalho seria jogado fora se o dono do restaurante não se interessasse.

Mas, empreendedor que sou ( ou muito desatento e cabeça dura) não dei muita importância ao fato e comecei a pensar em como vender minha criação. Confesso: levei duas semanas pra criar coragem e ir lá vender. Você tá rindo? Faz um app e vá pra rua vender!

Passadas minhas duas semanas de covardia, percebi que se eu não fizesse alguma coisa, ninguém mais faria. Ninguém viria me dar dinheiro sem um motivo, ninguém bateria na minha porta perguntando se “por acaso eu não saberia criar apps”. Pense nisso: Talvez você seja como eu, procurando um jeito de fazer dinheiro extra. Talvez você esteja esperando que algo aconteça e que notas de 100 caiam no seu colo mas posso te garantir uma coisa: A chance de que NADA aconteça é muito grande. Ninguém vai te dar dinheiro só porque você acordou hoje.

Seja corajoso – por 5 segundos

Em vez de esperar por um milagre, crie um produto que valha a pena – pode ser uma receita de brigadeiro, algumas coxinhas – pode até ser um app da Fábrica de Aplicativos! Agora tire a bunda da cadeira e vá pra rua para vender o que criou. Não pense muito, apenas faça. Cinco segundos de coragem podem mudar a sua vida.

Já tive muitas aulas de empreendedorismo mas o melhor conselho que ouvi foi esse: Tire a bunda da cadeira e faça alguma coisa. Depois das duas semanas me sentindo um mole, eu saí do escritório, atravessei a Av. Berrini com um celular na mão e o app do Perlage instalado. Entrei no restaurante às 10h15 de uma quarta-feira qualquer, idêntica à tantas outras em que passei perdendo tempo no Facebook. Dei de cara com um homem de uns 50 anos sentado numa das mesas. Ele me olhou nos olhos e disse:

– Pois não?
– Bom dia, vim falar com o dono do restaurante. Criei um aplicativo mobile para o Perlage e gostaria de mostrar pra ele.
– Sou eu mesmo. Senta aí e me mostra o que é isso porque eu não entendo porcaria nenhuma de tecnologia…

E foi isso. À queima roupa. Sem pausa para perguntar se eu era formado em alguma coisa, sem pedir pra ver o crachá da minha empresa ou perguntar se eu era Corinthiano ou Palmeirense. Nada de enrolação, só atitude.

Sei que fiquei no Perlage por  uma hora e quarenta e cinco minutos, enquanto a conversa com o Chef Paulo se desenrolava. Aquele senhor de 50 e poucos anos, catarinense e de fala forte, era o dono do Perlage Berrini, do Perlage Paulista, de um restaurante de temporada em Canas Vieiras, Santa Catarina e dono de uma pequena indústria de reciclagem de plásticos.

Conversamos por uma hora e quarenta minutos sobre tudo que você pode imaginar: restaurante, comida, reciclagem, Berrini, dificuldade de encontrar bons funcionários, religião, festas, temporada de férias em Santa Catarina, como grelhar um filé, calotes, fachadas comerciais, eletricidade trifásica e seus custos, o preço do salmão, ficha técnica, o bilionário dono do prédio, o número de cadeiras do Perlage e moscas fritas – o termo carinhoso usado pelo chef para descrever alguns restaurantes vagabundos.

Demorei somente 3 minutos mostrando e explicando o que era o aplicativo que eu havia criado e mais dois minutos combinando qual seria o próximo passo se ele tivesse interesse no negócio. Ele me pediu uma proposta para a criação do aplicativo para o Perlage e ainda ganhei um almoço grátis!

Segredos de vendedor

Qual o segredo dessa abordagem tão positiva? Conto tudo no meu livro “Venda um app em 3 passos simples” por R$89,90 – editora Mowa. Calma, estou só brincando. Este blog existe pra te ajudar a criar e vender seus apps. Quem sabe isso te ajuda a demitir seu chefe e trabalhar de qualquer lugar no mundo?  Por isso, lá vai: – O segredo… é que não há segredo. Nada de fórmula mágica. “Ahhhhhhh! que dó que dó! Quer moleza? Senta na gelatina!

Pra fazer dinheiro é preciso mais do que segredinhos de comadre. O que existe é preparação e atitude. Quando eu vi o Perlage pela primeira vez percebi que era um restaurante diferenciado e tinha sido inaugurado há pouco tempo. Talvez seu dono estivesse procurando um jeito de se destacar para os clientes. Em vez de ficar só imaginando como seria legal receber dinheiro do Perlage todos os meses, eu fiz a minha parte: fui ler sobre o lugar, conhecer o site e observar os clientes.

Essa foi a preparação. A atitude foi investir tantas horas num projeto que não tinha qualquer garantia de sucesso. Foi também a coragem de atravessar a rua, dar de cara com o dono do restaurante e me expor. Ok, se não desse certo seria apenas mais um “não” de tantos outros que todos nós já levamos na vida. Mas saquela época a possibilidade de ser rejeitado me assustava. Hoje eu quero que se dane se alguém me diz não, mas na época fazia muita diferença pra mim.

Talvez hoje faça diferença para você, mas o que é pior, levar um não ou passar toda a vida pensando que você poderia ter feito isso ou ter feito aquilo? O melhor jeito de saber se uma ideia vai dar certo é metendo as caras e fazendo acontecer. E daí se não der certo? Corra algum risco na vida! Como diz um cara chamado Ricardo Jordão Magalhães: Quando é que você vai cumprir as promessas que fez a você mesmo quando era criança? Se o que você tem feito na vida até agora não te deu tudo o que sonhava, não acha que tá na hora de tentar algo novo?

Mais tarde voltei para o escritório, redigi uma proposta e mandei para o Perlage via e-mail. Aguardei ansioso um retorno do chef Paulo mas não obtive qualquer resposta nos primeiros 20 dias. Toda semana eu ia no restaurante mas nunca mais encontrei o chef Paulo. Num dia ele estava viajando, num outro estava cuidando dos negócios… nunca o encontrava. Acho que tive sorte de encontrar com ele da primeira vez. Depois de 20 dias ele me enviou um e-mail me pedindo novamente a proposta do app. Como o interesse era meu, mandei o e-mail novamente. Mais um mês e NADA!

Persistência – cadê você?

Pensa que eu desisti? Pensa que eu larguei pra lá? Pensa que eu NÃO FUI ATRÁS??? Pode apostar seu dinheiro que sim! Eu desisti! Deixei pra lá! Não corri mais atrás! Como eu era idiota. ahaha, desisti de vender um app pro Perlage mesmo depois do chef Paulo ter mostrado todo interesse. Mas depois de tanto tempo e nada de resposta,  o que você teria feito? Eu, com toda minha experiência fracassada de vendedor, me concentrei em fazer outros apps que o Sérgio ia me pedindo.

Mas ( e toda história tem um “mas” ) depois de duas semanas após minha desistência, recebo uma ligação do chef Paulo! Com aquele jeitão meio bruto de quem comanda cozinhas com mão de ferro, ele me disse:

– Alexandre? Chef Paulo, tudo bem? Vem amanhã aqui no restaurante me vender aquele troço do celular.

E desligou. O cara havia adorado a ideia de ter um app, só não estava com cabeça para pensar no assunto durante todo o tempo que passou.
No dia seguinte fui até o restaurante com minha amiga e colega de trabalho Verônica Souza – Apper 02-  e vendi o app do Perlage por R$700,00 + R$120,00 por mês, para mantê-lo atualizado.  E ainda almoçamos de graça.

Não acredito, porém, que ele teria comprado o aplicativo se não tivesse comprado a minha imagem primeiro. Quem gostaria de fazer negócios com gente antipática, arrogante ou insegura? Antes de vender o aplicativo tive que vender minha própria imagem. Isso sim tem segredo e ainda vou explicar direitinho a você, aqui mesmo no blog.

Já contei essa história algumas vezes, tanto nas aulas que dou na Casa do Zezinho – em SP, quanto em Belterra, uma cidadezinha nos confins do Pará. As pessoas sempre me perguntam como foi que eu fiz um empresário ocupado como Chef Paulo gastar quase duas horas conversando comigo.

Acredito que consegui conversar tanto tempo com o chef porque aprendi a fazer amizades. Aí você pergunta: -Ah tá, então só consigo vender meus apps se fizer amizade? E eu respondo: SIM! e não. Sempre haverá um maluco que vai comprar qualquer coisa mesmo que você não queira vender. Quem nunca ouviu a história de alguém que estacionou na frente de um boteco e do nada chegou alguém querendo comprar o carro? Acredite, sempre vai ter um doido ( ou um bêbado ) querendo comprar qualquer coisa mesmo que você nem diga que está vendendo. As pessoas são diferentes, há vários perfis de compradores e cada um tem suas características – ok, ok, sei de tudo isso.

Mas pelo que já vi, li e ouvi escondido atrás da porta, a grande maioria das pessoas prefere fazer negócios com os amigos. E esqueça essa história de melhor produto, diplomas, preços ou qualquer outro detalhe que você invente para evitar sair na rua e vender seus apps: Você precisa mesmo ser amigável!

De quem você prefere comprar?

Faça amizades. É mais fácil vender para os amigos. A questão é COMO fazer amizades. Minha estratégia é simples – Se interesse verdadeiramente pelas pessoas e faça com que falem de si. Pensa comigo: Quem você admira mais, alguém que passa a festa inteira falando de si mesmo, do dinheiro que ganha e do modelo de carro que tem ou aquela pessoa que pergunta como você está, que te salva nas horas mais absurdas e que te ajuda a resolver um problema no computador? Não é questão de ser uma pessoa interesseira, no sentido ruim,  mas é natural que a gente prefira estar ao lado de gente que se interessa pela gente, que quer somar e não tirar nosso couro na primeira oportunidade.

De quem você prefere ser amigo? De alguém que se interessa por você ou de um egocêntrico que tem certeza que o Sol gira em torno do próprio umbigo? E de quem você compraria alguma coisa mais facilmente? De um vendedor que só pensa na comissão que vai ganhar ou do vendedor sincero que procura entender sua real necessidade de compra? Faça amizades. Venda depois.

Cerveja na beira do rio

Mas voltando à conversa que tive com o chef Paulo, alguns de meus alunos nunca se convencem de que é simples vender. Sempre acham que há alguma coisa escondida, alguma fórmula mágica. E foi numa tarde em Alter do Chão, na beira do rio Tapajós, que um aluno me perguntou:

-Égua, professô, confessa pra gente! Como o senhor fez pro tal chefe conversar tanto tempo com o senhor? O senhor nem conhecia o hômi!

Dei um gole na cerveja geladinha, olhei pro mar de água doce à minha frente e respondi:
– Eu perguntei pro chef Paulo “- Chef, como é que o senhor criou tudo isso, os três restaurantes e a reciclagem?”

Os olhos do chef Paulo brilharam! E durante aquela uma hora e quarenta, entre uma pergunta e outra, ele me contou toda sua história, de menino lavrador no sul do país, pobre e sem expectativas, a empresário na maior cidade do Brasil. Nunca encontrei quem quer que fosse, um motorista de táxi, empresário ou artista de televisão que não tivesse prazer em me contar sua própria história.

Contar nossa própria história nos dá a chance de reviver bons momentos. As pessoas que conheci costumam gostar de gente que as ouve. Talvez você fique espantando com o que vou revelar agora, mas empresários também são gente!  Como qualquer um de nós. Faça perguntas que incentivem as pessoas a falar. Depois ouça com atenção. Isso vai te ajudar a vender qualquer coisa.

Tente! Acompanhe o blog, aprenda a fazer apps, a salvar imagens e a compartilhar links. Mas a verdadeira mágica de transformar apps em dinheiro não acontece aqui nesta tela. Acontece do outro lado da rua, olho no olho, com gente igual a mim, igual a você. Tira a bunda da cadeira e vai vender!!!

Um grande abraço, sucesso sempre e até a próxima!

Alexandre Lima
Corajoso por 5 segundos

54 Comments
  • Luciano Mendes
    Posted at 3:02 AM, 04/07/2013

    Nossa, muito bom!
    Quero muito poder aprender mais, percebo que realmente aqui é o lugar.

    • Alexandre Lima
      Posted at 3:19 AM, 04/07/2013

      Oi, Luciano, muito obrigado!
      Estamos só no começo, acompanhe o blog que vamos postar várias dicas legais de como criar apps, como vender e divulgar.
      E se tiver alguma pergunta, dúvida ou sugestão, manda pra gente!
      Grande abraço!

  • Posted at 6:26 AM, 06/07/2013

    Ótimo texto, quando falou sobre o livro já tava pensando em comprar. Grande abraço!

    • Alexandre Lima
      Posted at 2:49 PM, 06/07/2013

      Muito obrigado, Gil! Tudo o que você encontraria no livro vou contar aqui no blog! E cadê? Ainda não achei o app da banda Drive. O som de vocês é muito bom! Porque não faz um app com as atualizações das redes sociais, músicas do Plano Sequência, fotos e agenda da banda?
      Continue acompanhando o blog que vai ter muito mais novidade. Abraço!

  • Adriano
    Posted at 10:04 PM, 13/07/2013

    Alexandre, gostaria de saber o seguinte (exemplo): desenvolvi um app para restaurante tudo certo e para não ter propaganda e para que funcione em todas as plataformas, faço o plano profissional. PAgo por mês ou anual? Para poder demonstrar o app desenvolvido, tenho que ter feito o plano, tenho que antecipar o pagamento a fabrica? O cliente me paga um “x” de manutenção e eu pago vocês? Pagando o valor do plano profissional, não deveria passar o app desenvolvido ao meu cliente, afinal ele pagou o desenvolvimento? Grato

    • Alexandre Lima
      Posted at 1:11 PM, 15/07/2013

      Oi, Adriano! Ótimas perguntas! Vamos lá:
      Pago por mês ou anual? – Como você preferir. Se pagar mensalmente serão R$ 9,99 e, ao final do ano, terá pago a quantia de R$ 119,88. Já no plano anual, você paga de uma vez os R$ 99,99 e economiza R$ 19,89.

      Para poder demonstrar o app desenvolvido, tenho que ter feito o plano, tenho que antecipar o pagamento a fabrica? – Não é necessário. Você pode criar quantos apps quiser e visitar seus clientes, mostrar os apps com a propaganda e tentar vender. Sua pergunta me lembrou uma outra, feita por um aluno de São Paulo. Ele perguntou se os clientes não se incomodam em pagar por um app desenvolvido numa plataforma gratuita. O que eu percebi, Adriano, é que os clientes querem mais clientes, querem vender mais e querem isso sem mais dor de cabeça. Tocar o negócio deles já é difícil e cansativo. Não se importam se você usou uma plataforma paga ou gratuita. Eles são comerciantes, entendem o valor das coisas e no final das contas, você não está vendendo a nossa plataforma, está vendendo um serviço de criação de imagens e atualização de informações.

      Os clientes que visitei não tem tempo para aprender a criar apps. Eles preferem pagar uma pequena quantia e ter tudo pronto. Já apresentei apps com propaganda e nunca me questionaram sobre a gratuidade da plataforma mas eu prefiro pagar mensalmente para tirar a propaganda de 3 apps e vou visitando clientes. Depois de um mês, se não vendi pra um cliente apago o app que criei como amostra e crio outro em cima – para outro cliente que vou visitar. Quando o cliente compra um app eu pago o plano anual e economizo um dinheiro. Ok?

      O cliente me paga um “x” de manutenção e eu pago vocês? – Se você quer ganhar dinheiro vendendo apps nada o impede de cobrar de seus clientes, afinal, você está oferecendo um serviço muito legal. Você pode cobrar o valor que quiser do seu cliente. Só precisa pagar algo para a Fábrica de Aplicativos se quiser tirar o banner de propaganda dos apps gratuitos.
      Dependendo da quantidade e tipo de atualização eu cobro entre R$ 85,00 e R$ 470,00 de mensalidade para manter um app. E só R$ 9,99 por mês para a Fábrica de Aplicativos.

      Pagando o valor do plano profissional, não deveria passar o app desenvolvido ao meu cliente, afinal ele pagou o desenvolvimento? – Isso depende do que você combinar com seu cliente. Cobrar um valor muito alto pelo desenvolvimento de um app e o entregar para o cliente pode ser uma boa ideia, mas isso diminui as chances de venda e no mês seguinte você precisa encontrar mais um cliente e outro e outro e outro… de onde virá seu dinheiro se não houver novos clientes? E observando os clientes que atendo aprendi uma coisa: eles simplesmente não tem tempo para criar seus próprios apps! Imagine um dono de restaurante que dorme tarde, acorda cedo para fazer compras e ainda cozinha, ter que sentar na frente de um computador para imaginar e atualizar o próprio aplicativo?

      Ele não vai ter tempo e mesmo que crie o app aposto que não vai mantê-lo atualizado. E quando os clientes perceberem que o app está desatualizado vão parar de acessá-lo. Sem acessos o seu cliente vai dizer que “- Esse negócio de apps não funciona…” Adivinha quem perde na história? VOCÊ!

      Se você quer ganhar dinheiro vendendo um serviço é importante que arrume uma forma de receber pagamentos recorrentes. Isso garante a você uma renda crescente, mês a mês, com os mesmo clientes. Já pensou ter que conseguir novos clientes TODO mês? É bem melhor criar um relacionamento de longo prazo com seus clientes e oferecer a eles o conforto e tranquilidade de ter apps sempre atualizados por quem entende.

      Quer fazer dinheiro? Esqueça a história de ensinar a pescar. Dê o peixe pro seu cliente e cobre por isso. Ele vai agradecer porque estará ocupado fazendo outras coisas importantes enquanto você atualiza seu app.

      Sabe como eu faço? Cobro um valor razoável pelo app, entre R$ 200,00 e R$ 700,00 e depois cobro uma mensalidade para manter o app atualizado. Se o cliente faz questão de atualizar o próprio app eu reforço a ideia do tempo que ele vai ter que investir para aprender a atualizar, do esforço etc. Vendo meu peixe! Se ainda assim ele não quiser, ok! Passo os dados de acesso e continuo tocando a vida.

      Ok, Adriano? Respondi todas suas perguntas? Se não expliquei direito pode voltar a perguntar quantas vezes quiser.

      Grande abraço!

  • Posted at 7:51 PM, 04/08/2013

    Fantástico! Comecei a ler e não consegui mais parar… Suas dicas são valiosíssimas, e se você resolver escrever realmente um livro, vai vender muito. Valeu!

    • Alexandre Lima
      Posted at 4:02 PM, 05/08/2013

      Muito obrigado, Rogério! Fico feliz em saber que você gostou das dicas. Ainda tem muita coisa por vir, continue acompanhando!

      Grande abraço e até mais!

  • Helder
    Posted at 10:37 PM, 11/08/2013

    Parabéns pela iniciativa. História realmente legal.

  • Alexandre Lima
    Posted at 12:06 PM, 16/08/2013

    Muito obrigado, Helder!
    E você, já criou algum app com Fábrica de Aplicativos?
    Abs!!

  • Antonia
    Posted at 8:11 PM, 17/09/2013

    Alexandre, parabéns! Mto bom!
    Fui fazer uma entrevista hj p vende app, passei na entrevista e agora estou me perguntando ” E AGORA” rs , mais depois de td isso q li, fiquei mais confiante.

    Preparação e atitude 😉
    Amanhã acorda cedo, tira a bunda da cadeira e vender!!!
    Obrigada!

    • Alexandre Lima
      Posted at 9:39 AM, 18/09/2013

      ahaha, muito bom dia. É ótimo ler essas coisas logo cedo, Antônia.
      Explica essa história de entrevista pra vender app?
      E tirar a bunda da cadeira e fazer algo por si mesmo é a única forma que eu conheço de fazer acontecer. Não adianta esperar o chefe fazer, não adianta esperar pela sorte… ninguém está vindo te salvar! rs Ou você mesma faz ou vai passar a vida sem as coisas que deseja.
      Toda boa sorte do mundo pra você! Volta aqui e vem contas as histórias!
      Abs!

  • Léo David
    Posted at 10:51 PM, 29/09/2013

    Vc fez algum tipo de contrato ao vender o aplicativo para o restaurante?

    • Alexandre Lima
      Posted at 11:59 PM, 29/09/2013

      Oi, Léo! Depois da primeira reunião eu envio um e-mail com todas as informações acordadas e peço uma resposta do cliente confirmando por e-mail se está tudo certo.
      Isso tem valor de contrato e tem me bastado. É uma negócio simples: enquanto meu serviço for útil o cliente continua comigo. Se ele muda de ideia eu suspendo as atualizações e pronto. Sem dor, sem multas, sem frescura. As pessoas tendem a acreditar que fazer negócios é algo complicado. Não é. É só um acordo entre pessoas, combinando que enquanto uma faz isso a outra faz aquilo.
      Certo? Boa sorte aí e volte para contar os resultados!
      Abs!

  • Posted at 2:22 PM, 03/10/2013

    Caro Alexandre estou iniciando um novo negocio (IWS ou ImpactoWebSites), minha necessidade de empreender e basicamente igual ao seu inicio, estou dando o pontapé inicial, criando atualizando, mas tá faltando tirar a “bunda da cadeira”.
    Sua historia trouxe-me inspiração para ir adiante e inclusive acrescentando produto (app).
    Farei meus ajustes finais e vou tirar a bunda da cadeira, afinal creio que não tenho nada a perder…
    Abraços e sucessos .
    obs: se puder da uma olhadinha no meu site (se puder dar sua opinião empreendedora ficarei grato).

    • Alexandre Lima
      Posted at 4:11 PM, 03/10/2013

      Boa tarde, José! Fico feliz que minha história tenha feito alguma diferença para você.
      Dei uma olhada no seu site e vi que você já criou um monte de descrições, serviços e promessas bonitas para os clientes. Parabéns! A maioria das pessoas que quer empreender na internet sequer começa um site. Mas apenas isso não basta! Você mesmo diz que está faltando tirar a “bunda da cadeira”. Então não espere muito.
      Vá pra rua vender, mesmo que ainda não tenha tudo organizado e perfeito. Você nunca terá tudo pronto como gostaria. Lance seus projetos, venda e vá corrigindo no caminho.

      Se quiser conversar mais sobre isso me manda um e-mail no : rp.alexandre@gmail.com
      Sucesso sempre!

  • Posted at 6:37 PM, 03/10/2013

    parabéns pela conquista !

    mas eu preciso tirar algumas duvidas ….qual o tipo de conhecimento eu preciso para atualizar esses aplicativos para os clientes ….o que eu poderia fazer para se tornar um proficional completo nessa aréa ? obrigado aguardo resposta

    • Alexandre Lima
      Posted at 1:00 PM, 07/10/2013

      Olá, Lídio! Para atualizar os apps da Fábrica de Aplicativos os conhecimentos técnicos são muito simples. Qualquer pessoa com habilidade de atualizar seu próprio perfil no Facebook consegue criar e atualizar um app na nossa plataforma.
      Porém, para criar um app interessante você precisará de habilidades diferentes para cada público. Um app da Fábrica de Aplicativos é apenas uma ferramenta tecnológica que facilita demais a distribuição do seu conteúdo por meio de celulares.
      Para que seja realmente bom seu conteúdo deve ser bom. Aí é como escrever blogs: especialize-se numa área. Não dá pra criar um bom app sobre automobilismo se você é especialista em gastronomia brasileira.
      Ok? grande abraço!

  • Posted at 1:20 PM, 04/10/2013

    Achei o lugar!!!
    Muito boa a tua história, e a forma de incentivar as pessoas a “levantarem a bunda”…
    Irei sempre acompanhar agora o blog, e já estou me interessando muito na Fábrica de Aplicativos.

    Abraços e sucesso.

    • Alexandre Lima
      Posted at 1:25 PM, 07/10/2013

      Boa tarde, Daniel! Muito obrigado pelo comentário! É para você que escrevo.
      Porque não começa sua carreira de apper criando um aplicativo pro Lifecenter?
      O site deles abre no meu celular mas é tudo tão pequeno que um app seria muito bem vindo!
      Será que os pacientes também não gostariam?
      Um abraço e continue lendo o blog, acompanhando os posts e comentando!

  • alan
    Posted at 8:56 PM, 08/10/2013

    por quanto vc vendeu o app? vc falou que qualquer um poderia criar de graça e sem saber programar?

    • Alexandre Lima
      Posted at 1:13 PM, 09/10/2013

      Bom dia alan! Como você deve ter lido no texto, vendi por R$ 700,00. Qualquer um pode fazer de graça. Quem não quer fazer um app, não tem tempo ou não entende absolutamente nada de informatica pode pagar outra pessoa para fazer. 😀
      O que você gostaria de saber, exatamente?
      Abs!

  • Posted at 3:40 PM, 29/10/2013

    Olá Alexandre.

    Tenho 40 anos e dos 14 em diante comecei a mexer em computadores. Hoje depois disso tudo, depois de tantas idas e vindas, tenho o meu trabalho em uma empresa multinacional e consegui montar com minha esposa uma lojinha para vender produtos mineiros. Experimentei a plataforma e ela já me deu várias idéias. Gostaria de saber se é possivel montar uma mini-loja virtual com a Fábrica de Aplicativos ou sejão alguma coisa que o cliente pudesse escolher os produtos numa cesta de compras e isso ser reduzido a texto para ser enviado para um determinado email para entregarmos os produtos posteriormente. Teria como isso?
    Obrigado!

    Att

    Breno A Filpo

  • Alexandre Lima
    Posted at 10:32 AM, 01/11/2013

    Bom dia, Breno!
    Parabéns pela sua trajetória – é claramente a história de um vencedor e tenho certeza que com a Bão di Minas não será diferente.
    A ideia da lojinha está na mesa do chefe para ser desenvolvida. Temos muitas pessoas pedindo por essa funcionalidade que vai ajudar demais a vender pelo celular.
    Aguarde as novidades! Enquanto isso já crie seu app!
    Um grande abraço e obrigado por compartilhar sua história e ideias com a gente 😀

  • Rodrigo Silva
    Posted at 7:03 PM, 01/11/2013

    Alexandre, parabéns pela história cara. Muito motivadora.
    Tivemos um um projeto empreendedor na faculdade e eu e mais um colega tivemos a ideia de desenvolver um app, para facilitar informações da faculdade com o aluno, apesar de ser uma ideia que não tínhamos certeza se era viável foi um sucesso e um dos diretores chegaram até marcar uma reunião para que explicássemos melhor a ideia.
    Você pode nos direcionar melhor de como proceder?
    Caso queira inserir um chat, é possível?
    Conseguimos assistir palestras ou participar de grupos, start up ou comunidades relacionadas a desenvolvimento de app? (de preferencia com sua presença)

    Desde já muito obrigado. E caso não possa fornecer alguma informação já foi muito útil essa sua história. Motivação pura.

    Obrigado.

  • Alexandre Lima
    Posted at 6:34 PM, 05/11/2013

    Boa noite, Rodrigo! Aposto que a maioria dos alunos que estava na sua sala não seguiu em frente ainda com nenhuma ideia prática. Só a simples ação de vir aqui escrever já o coloca na frente de muita gente que só fica sonhando em realizar alguma coisa. Parabéns para você. Você é um vencedor.
    Se eu posso te dar um conselho sobre essa reunião ( ou próximas reuniões ) é que ela seja relevante e concisa. Um cara que entende muito de apresentações é o Guy Kawasaki, evangelista da Apple. Leia sobre como fazer apresentações nesse artigo bem legal do Papo de Empreendedor: https://www.papodeempreendedor.com.br/oportunidades/a-regra-10-20-30-para-apresentacoes-de-sucesso/
    Vá arrumado, fale firme, não leve isso tão a sério. No final, são apenas pessoas falando com pessoas 😀
    Quanto a apresentações, grupos ou aulas estamos organizando. Vou manter seu e-mail numa lista de interessados e te informo a programação, ok?
    No mais, tiro a dúvida que for e trago de volta app apagado em 7 dias!
    Sucesso pra você, um grande abraço e volta aqui pra comentar seus resultados ou pra fazer mais perguntas!

    • Posted at 3:01 PM, 10/11/2013

      Grande Alexandre! Assim como você, sou entusiasta do empreendedorismo e tenho uma empresa de Publicidade Alternativa (a PubliQbrasil). Nosso lema é não deixar as pessoas na mão, por isso criamos formas de propagandas sustentáveis e espontâneas, como propaganda no saco de pão, sacola de farmácia, caixa de pizza, etc. Acredito que a criação do app mobile irá ser um diferencial, pois nada mais espontâneo que ver o consumidor com a cara enfiada no celular! 🙂
      Minha idéia é criar um app para Publiqbrasil onde os meus clientes pudessem ter cupons de desconto (assim como é o excelente Mobo) e que o consumidor final encontrasse quem está fazendo alguma promoção ou dando algum desconto ao redor de onde ele se encontra.
      – É possível criar um app onde o gps do usuário fosse ativado? (e colocarmos: Essa oferta está a 1,5km de distância. Corra!)
      – É possível criar um app com uma interação mínima? (ex: 15 cupons de desconto, pegue o seu). Quando o cliente clicar, o cupom é baixado como imagem para ele e diminui o número de cupom disponível).

      Desculpe o texto grande, mas quando nos empolgamos com as idéias, acabamos falando demais! rs Parabéns e sucesso!

  • Alexandre Lima
    Posted at 11:38 AM, 11/11/2013

    Boa tarde, Isabella! Muito legal sua empresa!
    É possível fazer o que você imagina sim! Vou pedir pro pessoal da Fábrica de Aplicativos entrar em contato com você, ok?
    Grande abraço e muito sucesso!

  • Ramon
    Posted at 11:45 AM, 20/11/2013

    Boa Tarde! Estou abrindo uma empresa de criação de apps na minha cidade, e o site de vocês é o melhor que achei até o momento, gostaria de ter mais informações a respeito de preços de assinaturas e etc. Aguardo contato.

  • Alexandre Lima
    Posted at 9:40 AM, 22/11/2013

    Ramon, crie uma conta na Fábrica de Aplicativos. É gratuita e lá você encontra as informações sobre pagamento, preços e planos especiais. Se você está abrindo uma empresa de apps na sua cidade você pode contar com nosso apoio para tirar suas dúvidas e auxiliar com modelos de negócio, ideias de divulgação etc.
    Sucesso aí e volte pra contar as histórias!

  • Jailson
    Posted at 3:49 PM, 25/11/2013

    Olá, Alexandre! tenho algumas ideias de apps e alguns pedidos para fazer app. Eu faço muita coisa em excel e tenho alguns clientes que querem algo que possam usar em qualquer lugar, o app é a melhor solução. Como faço para conversar com você? para quem sabe fazermos juntos.

    • Alexandre Lima
      Posted at 8:58 AM, 26/11/2013

      Bom dia, Jailson! Leia o blog, navegue pela plataforma da Fábrica de Aplicativos e vamos conversar. Conte comigo se precisar de dicas, ajuda ou ideias sobre seus apps, ok?
      Sobre dúvidas técnicas ou pedidos de funcionalidades acesse nossa ágina: suporte.fabricadeaplicativos.com.br
      Um abraço!

  • Kau
    Posted at 6:53 PM, 30/11/2013

    Oi, Alexandre. Tudo bem? Antes de tudo, parabéns. Grande iniciativa! Estou comecando a me interessar pelo tema dos apps e gostaria de saber como fazer para ganhar $$$ com um app. Não como desenvolvedor e sim com cada pessoa que baixar o app que vou criar. Teria que ser via Paypal sempre? Isso me parece um pouco limitante… Gostaria que, no caso do meu app, fosse algo prático como os apps que eu próprio baixo pela AppStore. Como posso fazer isso? Muito grato, amigo. Abração e mais sucesso!

  • Alexandre Lima
    Posted at 12:52 PM, 02/12/2013

    Boa tarde, Kau! Tudo bem? Para ganhar dinheiro com downloads de apps você precisa publicá-los nas lojas da Apple e do Google. Vou criar um tutorial ensinando a publicar no Google e depois na App Store. Basicamente você precisa criar uma conta de desenvolvedor nas lojas, criar um descritivo sobre seu app, criar screenshots e ícones em alta resolução. Então você envia tudo isso para as lojas junto com o pacote do seu app e aguarda liberação. Essa é a parte técnica da coisa. Fazer o app ser aprovado e depois disso, se conseguir, fazê-lo bombar é algo bem diferente. Procure reportagens sobre isso na internet e vai aprender muito sobre o processo.
    Até breve!

  • Bruno
    Posted at 9:14 AM, 09/12/2013

    Olá, gostaria de saber se e possível ter uma área no meu app reservada, como restrita a algumas pessoas com senha, que eu consiga incluir e excluir as mesmas.
    Ex: uma aba de Lista de Texto e que esta aba só pessoas com senha possa acessa-las.
    Muito obrigado.

  • Alexandre Lima
    Posted at 7:54 PM, 09/12/2013

    Boa noite, Bruno! A Fábrica de Aplicativos ainda não tem essa funcionalidade, mas é uma ótima ideia mesmo.
    Um abraço!

  • Diego Blasco
    Posted at 3:24 PM, 12/12/2013

    Alexandre, Boa Tarde criei um app para Pizzarias cobro um valor bem econômico já visitei mais de 5 clientes e todos sempre falam que vão pensar e falar com o sócio, acho que a maior duvida deles é de como podem divulgar este aplicativo. Consegue me ajudar nesta questão?

  • Alexandre Lima
    Posted at 3:49 PM, 12/12/2013

    Oi Diego, boa tarde!
    Essa história de “vou falar com o sócio” é ouvida desde que vendedores começaram a bater em portas. rs Não se preocupe muito com isso, mas se empenhe em aprender mais sobre vendas.
    Se o cara tem um sócio é natural que queira dividir uma decisão com ele. Talvez ele só esteja querendo te mandar embora de uma forma gentil, mas vamos supor que ele tenha gostado da ideia e queira mesmo falar com o sócio.

    Que tal marcar uma segunda visita quando o sócio estiver junto? Porque aplicativos próprios é algo novo para seu tipo de público e talvez o dono com quem você está conversando não saberá explicar muito bem do que se trata sua proposta. Estar junto seria muito bom.

    Uma forma simples de divulgar o app é acrescentar o QR Code e link do aplicativo nos folhetos que semanalmente eles entregam nas casas. Isso vai ajudar muito. Diga que devem divulgar como se fosse uma alteração de telefone. Como eles fariam? Caixas novas para as pizzas? Imas de geladeira? Folhetos nas caixinhas do correio?

    A divulgação não tem segredo nem é novidade pra eles. Basta você mostrar que o link e o QR Code é que carregam as informações necessárias para que qualquer cliente baixe o app deles, ok?

    Qualquer dúvida to por aqui! ( mas me fala, por quanto está vendendo e quanto tá cobrando mensalmente? )
    Abs!

    • Diego Blasco
      Posted at 11:48 AM, 13/12/2013

      Então estava pedindo R$ 800,00 mais mensalidade de R$ 70,00 por mês coloquei o app no google play também, ainda não foi vendido nenhum talvez faltou um pouco de empenho pela faculdade estar em final de semestre, o melhor a fazer é imprimir um panfleto teste para demonstrar a eles. Ainda tem uma grande resistência, mais quando o primeiro comprar com certeza vai gostar e se aprimorar no google play está como blasco pizza o teste. Todos os que visitei não falaram não especificamente, mais estão “barrigando” para janeiro, devido aos altos pagamentos que estão fazendo em dezembro. Obrigado pela ajuda.

  • Alexandre Lima
    Posted at 7:23 PM, 13/12/2013

    Oi Diego, muito bom. Manda o link pra gente ver! Dezembro é um mês parado mesmo, a galera não quer investir em coisas novas e prefere pagar ceia de Natal, contas do negócio e reservar dinheiro pro IPVA de 2014. Quem pode condenar, né? O jeito é ir tentando. Mas R$ 800,00 pra algumas regiões do país é um valor aceitável. Em outras, é uma pequena reforma na empresa do cliente. De onde você é?
    Um abraço e sucesso!

    • Diego Blasco
      Posted at 11:32 PM, 13/12/2013

      Então Alexandre, sou de São Paulo capital mesmo, li que seus aplicativos partem de R$ 200,00, então preciso aprimorar mais, mais ainda vou continuar tentando.

  • Diego Blasco
    Posted at 11:35 PM, 13/12/2013

    https://play.google.com/store/search?q=pizza%20do%20blasco&hl=pt_BR

    segue o link do app no google play.

    Agora tenho outra dúvida, no iphone este app funciona por meio do html 5, tem como ele funcionar como app na apple store, alguma forma de converter de .apk para a plataforma da apple ?

  • Alexandre Lima
    Posted at 9:59 AM, 16/12/2013

    Boa Diego! Manda bala nisso aí meu amigo! Se precisar de alguma coisa, conte comigo.
    Abraço!

  • Adriana Correa
    Posted at 7:29 PM, 11/02/2014

    Adorei a sua história, me deu uma baita inspiração!

  • Edgar
    Posted at 10:27 PM, 29/04/2014

    Boa noite Alexandre, gostaria de saber se é possível utilizar a opção gps do celular em um aplicativo?
    Por exemplo, o aplicativo localiza onde o cliente está e traça o caminho dele até um determinado rua ou avenida (como se fosse a utilização de um gps normal). Se existe, como faço para utiliza-la?

    Fico no aguardo para que eu possa assinar o plano.

    Obrigado e parabéns pela fábrica de aplicativos.

    • hugoyang
      Posted at 2:46 PM, 16/05/2014

      Olá, Edgar.

      Hoje a Fábrica de Aplicativos ainda não fornece a funcionalidade GPS. Existe uma maneira de você criar algo com o mesmo propósito na funcionalidade “Página WEB”, disponível no plano Especial.

      Para isto, você precisa salvar um EMBED do Google Maps, salvar em um arquivo HTML, hospedá-lo e depois inserir o LINK na aba “Página WEB”. Neste caso, você não vai ter a sua localização, mas todos os pontos que você marcar serão vistos pelos usuários do APP. Nós estamos estudando a possibilidade de oferecer esta funcionalidade e a sua pergunta reforça ainda mais esta necessidade!

      Espero ter te ajudado! Obrigado pelo comentário.
      Grande abraço,
      Hugo Yang

  • Fabrício Alves
    Posted at 11:40 AM, 01/05/2014

    Olá Alexandre.
    Gostaria de saber mais sobre os valores a serem cobrados, tanto o do App quanto o da mensalidade. Sou de Santarém – PA. Queria saber sua opinião, já que minha cidade não é uma capital, mas é a segunda maior cidade do estado, depois de Belém. Pelo que li no texto aqui do blog você parece conhecer essa cidade. Como posso aplicar os valores, que envolvem o App, aqui em Santarém? Pois não quero cobrar acima do que devo e, consequentemente, não vender o App, e também não quero cobrar abaixo do que devo e acabar desvalorizando meu trabalho.
    Já ajudei vocês nas aulas dadas em Belterra, como voluntário, só não estou conseguindo associar o seu nome a sua fisionomia. Sou aluno de Sistemas de Informação e participava do projeto Mídias, orientado pelo professor Enoque Alves.
    Posso dizer que foi uma ótima experiência os dias vividos em Belterra auxiliando vocês nas aulas para aquela turminha empolgada lá de Belterra.
    Aguardo resposta e desde já agradeço.

    • hugoyang
      Posted at 2:41 PM, 16/05/2014

      Olá, Fabricio. O Alexandre está investindo num projeto pessoal atualmente, mas logo logo ele vai estar de volta aqui no nosso blog!

      Na semana passada estivemos com o Professor Enoque! Que figura! Que energia! Estão muito bem representados e o pessoal de Santarém é adorado aqui na Fábrica de Aplicativos!

      Sobre a sua pergunta, acho que o segredo é ir testando aos poucos o preço “justo”! Digamos que você ofereça seu trabalho para 10 clientes por R$1000,00, por exemplo. Se 8 dos 10 clientes fecharem, você teve 80% de sucesso, ou seja, seus clientes enxergam que estão pagando o quê o produto oferece de valor. Mas se 1 cliente fechar o negócio e 9 não, provavelmente você estará cobrando muito acima do preço justo do mercado. Mas cada App é um APP, então você tem que tentar calcular quanto tempo você vai gastar fazendo o APP, pois o tempo vai variar dependendo do cliente.

      Sobre a mensalidade, você pode cobrar um preço fixo por mês e/ou uma taxa para cada alteração que o cliente desejar. Normalmente quando vendo os APPs, eu ofereço para o cliente 3 alterações de graça, o quê até deixa ele felize e até faz com que eles me indiquem para outros clientes.

      Espero ter te ajudado! Obrigado pela pergunta e um enorme abraço para o pessoal de Santarém!

      Hugo Yang

  • André Moleiro
    Posted at 5:26 PM, 21/05/2014

    Olá Alexandre,

    Estive acompanhando suas postagens nos últimos dias, e tenho uma pergunta sobre os deals que você fecha com esses estabelecimentos.

    Como é a parte jurídica destes restaurantes? Eles exigem a emissão de nota fiscal? Se eu quiser vender um aplicativo para um estabelecimento, vou precisar criar a minha própria empresa?

    Muito obrigado!

    • hugoyang
      Posted at 7:16 PM, 21/05/2014

      Olá, André. O Alexandre está num período sabático, mas logo logo ele estará de volta!

      Enquanto ele não volta, estou ajudando a responder algumas perguntas e espero te ajudar! No caso, o quê pode ser feito, antes de abrir uma empresa, é criar um cadastro de MEI (Micro EMpreendedor Individual), o qual você pode emitir até R$60.000,00 no ano, pagando apenas R$50,00 de imposto ao mês.

      O recomendado é a emissão sim, pois se não houver, será uma atividade ilegal! Sei que os impostos do nosso país são dolorosos para o nosso bolso, mas é melhor fazer o certo!

      Obrigado pela pergunta!

    • marialuisa
      Posted at 9:54 AM, 22/05/2014

      Olá André, tudo bom?

      O Alexandre está em um projeto pessoal, mas acredito que posso te ajudar. Isso depende do restaurante, mas não é preciso ser PJ para fazer a venda do seu app. Você pode se colocar como um freelancer, que trabalha em algo especifico por um valor, sem ter empresa com seu nome.

      Espero que consiga fechar muitos negócios!

      • André Moleiro
        Posted at 1:31 PM, 23/05/2014

        Obrigado pela ajuda, Hugo e Maria!

        Estou pensando seriamente em me inscrever no MEI antes de sair tentando vender, pra tornar as coisas mais formais hahaha.

        Eu desenvolvo por conta própria, usando a IDE do Android e depois passando pra iOS pelo J2ObjC, mas por enquanto só fiz aplicativos bobos pra testar o funcionamento das lojas da Google/Apple (por exemplo, o Cantadas Nerds https://goo.gl/R59sy9 ), tentei uma ou outra campanha pelo facebook, enfim, coisas bem básicas mesmo, e agora fiquei muito tentado a me arriscar como um apper independente ao ver os posts de vocês aqui no blog.

        Continuarei batendo ponto por aqui, e pode deixar que vou sim reportar meus resultados (quando eu tiver rs)!

        Obrigado!

  • Jorge Claudio
    Posted at 8:45 PM, 23/05/2014

    Alexandre, primeiro quero lhe dar os parabéns, apesar de não ver seu produto, mas é muito encorajador esta escrita, onde com isso, tive não uma mas várias idéias de começar neste negócio com esta “FABULOSA” ferramenta que conheci na feira E-SHOW no Transamérica Expo Center.

    Atualmente, vendo sistemas para empresas de Terceirização, no valor aproximado a partir de R$ 40.000,00 a R$ 500.000,00, onde confesso que não é fácil, mas vamos lutando todos os dias para alcançar nossos objetivos e assim em diante, pois render-se a um desafio, nunca e jamais será o caminho.

    Fiz um aplicativo para eu mesmo, mostrei aos meus filhos e eles gostaram, com isso, pensei em algumas empresas aqui perto de casa mesmo, onde os proprietário são meus amigos, com isso, vou expandir este negócio e chegar longe…sei que não será fácil, mas também não será difícil, pois a ferramente é extremamente fácil de trabalhar, basta usar a imaginação….

    SUCESSO A VOCÊ ALEXANDRE E SUA FAMILIA.

  • Posted at 2:02 PM, 06/04/2015

    Cara muito top o seu texto estava lendo e ancioso pra ver o final e na metade vc coloca uma piada.

    Qual o segredo dessa abordagem tão positiva? Conto tudo no meu livro “Venda um app em 3 passos simples” por R$89,90

    Quase fechei o blog na hora que vi isso vei achei que era mais um idiota tentando vender livros que falam os mesmo assuntos q estão na internet enfim muito bom o seu texto gostei muito até a proxima.