7 maneiras de usar a tecnologia mobile na educação

7 maneiras de usar a tecnologia mobile na educação

Os alunos estão cada vez mais conectados. Quando você vai usar isso a seu favor?

7 maneiras de usar tecnologia mobile na educaçãoSegundo o filósofo Mario Sérgio Cortella, calcula-se que uma criança assista em torno de três horas de TV por dia (mil horas por ano) a partir dos 2 anos de idade.

Dos 2 aos 7 anos de idade, esta criança já assistiu mais de 5 mil horas de televisão.

Antes de qualquer contato com professores e salas de aula ela já terá visto tudo que passa na TV: desenhos animados, burros falantes, filmes adultos, guerras, copa do mundo, olimpíada, aviões atingindo prédios nos EUA, tela quente e Super Nanny.

Some a toda essa programação o número de horas que esta criança passou manipulando um celular, notebook e tablet. Horas incontáveis de jogos com passarinhos sendo atirados de estilingues num mundo frenético onde tudo é online e interessante para seus dedinhos e cérebros curiosos.

No primeiro dia de escola esta criança põe o pé na sala de aula e encontra um professor escrevendo numa parede verde. A aula começa e o professor diz:

“- A pata nada.”

A criança olha em volta e pensa “- Leve-me ao seu líder! Esse cara não pode estar falando sério.”

Ouço os professores reclamando que não conseguem a atenção dos alunos porque estes ficam o tempo todo de olho no celular. Mas se nosso melhor sistema de ensino é o GLS – Giz, Lousa e Saliva – como culpar os alunos? É uma batalha desleal e muitas escolas chegam a proibir o telefone celular em sala de aula.

Como contornar essa questão e conseguir um pouco mais de atenção de alunos ávidos por novidades?

Claro que não tenho a solução de todos os seus problemas, mas acredito que posso te ajudar em alguns pontos. Quer aumentar as chances de ser ouvido? Bota sua mensagem no mundo mobile! Tente essas ideias e depois volte aqui pra me contar os resultados:

1 – Faça a SUA lição de casa

Antes da gente reclamar dos alunos, celulares, redes sociais e tudo que é novidade em nome da “tradição e bons costumes educacionais”, que tal se familiarizar com esse novo mundo tecnológico?

Você que é educador será provocado – grande Greg! – com alguns temas interessantes. Sente-se na cadeira de aluno por um momento e navegue pelos links abaixo:

Um professor pode ser substituído por uma máquina”– Incrível texto relatando a experiência de Sugata Mitra

Facebook em Educação” – Texto de João Mattar, Doutor em Letras pela USP  e Mestre em Tecnologia Educacional

Mas afinal, o que é um app? –  Texto de Guilherme Santa Rosa, co-fundador da Fábrica de Aplicativos

O que é QR Code – Texto de Alexandre Fernandes, este gordo que vos escreve, empreendedor mobile

E para os dias em que a tecnologia vencer sua boa vontade, imagine-se na pele desse querido e paciente professor. Mas só imagine, ok?

2. Incentive a descoberta (em vez da decoreba)

Qualquer aula fica chata se você entrega todo o conteúdo de forma monótona e burocrática. Se quiser mudar isso dê uma pesquisada na internet sobre o termo “triboluminescência” e “Richard Feynman”. Tenho certeza de que vai gostar do que vai ler.

Incentive seus alunos a experimentar o conhecimento! Publique experiências numa fan page do Facebook e peça que as façam em casa. Diga que a atividade é fotografar os resultados com o celular e depois publicar no grupo para debate.

Ah! E quem fizer a experiência da triboluminescência pode voltar aqui e publicar as fotos. Vamos compartilhar pra todo mundo ver também!

3. Compartilhe bons conteúdos

Seus alunos estão consumindo uma quantidade absurda de bobagens na internet. Não porque alguma empresa mal intencionada está investindo pesado em publicidade, mas porque os próprios alunos estão compartilhando informação entre si.

Esse é o poder das comunidades! Você me envia um link de piadas, eu te envio um vídeo da Porta dos Fundos.

Mas não precisa ser somente isso. Quer que seus alunos conheçam coisas interessantes em vez de bobagens? Compartilhe conteúdo de qualidade com eles!

Tente ensinar Física com os vídeos do MythBusters que estão no Youtube ou diga para que se inscrevam num dos 700 cursos online, grátis, das melhores universidades do mundo.

Todo esse conteúdo está disponível  para o celular dos seus alunos, a poucos cliques de distância.

4. Utilize QR Codes

Descubra o que tem nesse Qr Code!Espalhe QR codes pela escola com conteúdo interessante e aguarde os resultados.

Se você ensina língua portuguesa, crie um QR Code que mostra a resenha de um livro importante. Cole o QR Code na parede da biblioteca e se esconda atrás da cortina para ver os alunos pegando o livro indicado.

Se dá aulas de Educação Física, cole na entrada da quadra o QR Code de um vídeo convocando os alunos para uma peneira de basquete.

Sua área é a matemática? Convide uma contadora de histórias e faça um vídeo sobre a lenda de Lilavati, a bela filha de Báskara e envie o link do vídeo para os alunos. Via SMS. Isso pode despertar a curiosidade dos alunos sobre as equações de 2º grau.

5. Promova um festival de curta metragens

Nem só Mark Zuckerberg faz dinheiro na internet. Milhares de pessoas que produzem conteúdo para web estão ganhando muito dinheiro neste exato momento.

Entre tantas atividades online como produção de texto, fotografia, venda de produtos e serviços de gestão há uma coisa que se destaca: produção de vídeos para o Youtube.

Há pessoas fazendo mais de 100 mil DÓLARES por MÊS com o Youtube, aqui mesmo no Brasil.

Conheça os 10 primeiros milionários do Youtube.

Que tal colocar seus alunos no rumo do primeiro milhão também? Novos tempos pedem o ensino de novas habilidades!

Comece de forma simples:  Incentive a produção de vídeos filmados com um celular.
Adote um livro por semestre e em vez de pedir questões numa prova, lance um festival de curta metragens baseado no capítulo de que mais gostarem.

Depois de tudo pronto ajude a molecada a compartilhar o vídeo no Youtube.

6 – Lance um desafio

Crie um desafio matemático ou um concurso de fotografias. Filme as instruções e suba o vídeo pro Youtube. Divulgue o vídeo com um QR Code espalhado pela escola. Ou pelo bairro. Ou pela cidade. Tudo depende do tamanho da sua visão.

Os primeiros alunos a resolverem o desafio ganham um passeio, um par de ingressos pro cinema, um tablet, um chocolate, o que for! Mas lance um desafio.

No caso de um concurso fotográfico, crie categorias diferentes para premiar mais de um aluno.

7 – Crie um app da sua matéria

Na Casa do Zezinho há uma professora incrível chamada Inayá.

Depois de participar de uma oficina de aplicativos ela resolveu colocar num app o conteúdo do conto Uma Galinha, de Clarice Lispector. Os alunos adoraram! Uma pequena mudança na abordagem as vezes faz muita diferença na atenção dos seus alunos. Baixe o app Uma Galinha e conheça o trabalho da Inayá.

Porque você não faz o mesmo na sua escola? Crie um app da sua matéria usando a Fábrica de Aplicativos. Se ainda não conhece a plataforma faça seu cadastro agora mesmo!

E leia o post Como criar um app sem saber nada de programação. Pronto, agora não tem mais desculpas para não ter um app da sua matéria.

Conquistar a atenção de alunos tão midiáticos é um grande desafio para qualquer um de nós. Desejo que você, educador, faça um esforço para ao menos molhar os pés nesse mar de tecnologia por onde navegam tão bem nossos alunos.

Um abraço e até breve!

Alexandre Lima
Provocador mobile

3 Comments
  • Posted at 10:49 AM, 19/11/2013

    Ótimas ideias, principalmente a parte do desafio aliado as novas tecnologias (o qr code, etc), o ideal mesmo é trazer os alunos para um objetivo positivo e comum, com certeza quebrando celular o professor não vai conseguir muitos amigos dentro da sala de aulas. Cristiano Silva – Consultor de TI.

  • Alexandre Lima
    Posted at 12:18 PM, 19/11/2013

    Concordo, Cristiano. Essas tecnologias já fazem parte do cotidiano dos alunos. Educar sem se adaptar a isso, ao meu ver, é desperdiçar tempo, energia e potencialidades. Muitos pais querem que seus filhos sejam o próximo Steve Jobs. Mas quantos pais e professores efetivamente apoiam a utilização de tecnologia como ferramenta de emancipação social? Como diria novamente o Cortella: “Alguém precisa fazer alguma coisa!” Cá estamos 😀
    Grande abraço e obrigado pelo comentário.

  • Rita Margarida Toler Russo
    Posted at 4:25 PM, 19/09/2014

    Boa tarde. Gostei muito das suas sugestões, são muito criativas. Em outubro/2014 darei uma palestra sobre o uso da tecnologia para tornar mais atraentes as aulas e tomei a liberdade de utilizar este artigo e seus conselhos como base da preparação da palestra. Evidentemente, citando a fonte e os devidos créditos. A palestra ocorrerá em São Luiz (MA) nos dias 14 e 15 de outubro/2014 e será para docentes do Sistema FIEMA. Parabéns pelo seu trabalho. Ele representa uma luz para muitos profissionais da educação que se sentem perdidos e até intimidados com essa garotada midiática.